• Marcelo Bandeira

CHERNOBYL-UM GUIA AUDIOVISUAL

Atualizado: 10 de Out de 2019



tudo Em 100 FOTOS E VÍDEOS

A construção de um roteiro para Chernobyl não começa no atrativo em si, não estamos falando de um lugar turístico como Paris ou Londres, é sobre um ambiente apocalíptico, e definido como o local do maior acidente nuclear da história. E você já se perguntou qual a atratividade turística disto? Este post audiovisual serve para que você consiga responder esta pergunta. E ao final exponho minha opinião sobre a visita.


Para visitar Chernobyl é obrigatório contratar uma das agências de turismo sediadas em Kiev na Ucrânia, e cada uma delas tem um ponto de encontro na cidade. Eu contratei a Chernobylwel, mas existem diversas outras, bem como a Chernobyl-Tour que tem os melhores preços.

Meu ponto de encontro foi na estação de trem Vokzalna, por outro lado, a agência Solo East TourKiev tem um dos seus pontos de encontro na praça Maidan que é muito bem localizado. Sabendo disto contrate aquela que se encaixa no seu bolso e na sua disponibilidade de datas.


São 2 tipos básicos de passeio e as suas variáveis: O clássico de um dia inteiro, e o de dois dias com um pernoite em Chernobyl. Quanto as variáveis são a possibilidade de incluir uma visita dentro da usina nuclear, ou ficar mais dias na região, e até mesmo fazer o passeio de forma individual com um guia exclusivo. Os preços variam entre 100 e 1.000 dólares.


QUER MAIS DICAS? por favor envie um comentário.


Antes de seguir para as fotos e vídeos entenda que Chernobyl empresta o seu nome a usina nuclear e ao roteiro na região, mas é apenas uma das centenas de vilas e cidades evacuadas na chamada zona de exclusão, que é uma área de 30 km de diâmetro. E que tem diversos lugares inabitáveis mesmo após 3 décadas do acidente, e inclusive ainda hoje existem locais chamados de "hot spots" que tem doses mortais de emissões radioativas.



Tudo começa no ponto de encontro em Kiev, e a partir de lá você segue para o check point da zona de exclusão.

Vá com roupas que cubram todo o corpo, bem como, camisas de manga longa, calças jeans, sapatos fechados e pondere em colocar todas estas roupas no lixo ao final do passeio. Siga a leitura e tire suas próprias conclusões sobre isto. Quanto a ir ao ponto de encontro é fácil e barato se locomover por Kiev, vejam no vídeo abaixo o trajeto da praça Maidan (no centro) até a estação central de trens.


O trajeto do centro até a estação central de trem.


É fácil encontrar a van da agência

O trajeto entre Kiev e o check point da zona de exclusão dura em torno de 1h30. Neste local a polícia confere os documentos e autorizações de entrada. Mantenha seu passaporte sempre com você, pois ele pode ser apresentado em outros postos de controle. Neste local existem banheiros e lojas de souvenir, e estes são os últimos banheiros que vocês terão acesso até ao meio dia, ou seja, se precisarem usem-os.


Check point da zona de exclusão

Polícia conferindo os passaportes

Segundo posto de controle

No check point você assina um documento eximindo a responsabilidade de todos a sua volta sobre os riscos da radiação. E saiba que irá receber muita radiação durante o passeio.

E no tour que inclui a usina nuclear sua agência já deve ter exigido outra declaração de responsabilidades, e com pernoite o hotel também terá outra declaração deste tipo. Sendo assim você começa a entender o risco real de contaminação.


Tente seguir todas as regras

No check point você recebe um colar (dosímetro individual) que deverá ser mantido o tempo todo no seu pescoço. O objetivo é manter um controle individual da sua contaminação, e a sua agência é responsável por este controle.


Mantenha o dosímetro sempre com você

Para finalizar as informações sobre o check point fica a dica para aproveitar os poucos minutos neste lugar, e dar uma olhada nos quiosques de souvenir e ou comprar algo, pois ao final do dia existem filas para compras. Os imãs de geladeira e as canetas são bons souvenir's.

Loja de souvenir no check point

Logo ao entrar na zona de exclusão você começa a perceber o estrago da explosão da usina.

Tudo a sua volta denota um cenário pós apocalíptico, e parece que a civilização não existe mais na terra. E a sensação de que todos saíram correndo de lá toma conta dos seus pensamentos. Infelizmente vândalos roubaram e modificaram muitas coisas, e eles conseguiram deixar o ambiente ainda mais decrépito. Você já percebe isto na creche para os filhos dos funcionários da usina, que é um dos primeiros pontos de parada. Quanto aos lugares que você irá visitar depende muito da experiência do seu guia, cada agência segue para pontos diferentes, e o objetivo é manter os grupos separados.

Fachada da creche

Na creche você encontra um dos primeiros "hot spots". Para entender o que é isto saiba que durante a tentativa de descontaminação os militares quebravam os vidros das casas, e lavavam os telhados e fachadas, sendo assim, as calhas despejavam em pontos específicos uma alta concentração da chamada "dust radiation" (poeira radiotiva), mas não é somente isto que gerou os "hot spots", siga a leitura e veja outros tipos de pontos quentes. Neste local percebemos apenas 5 a 8 "microsieverts" por hora - muito pouco perante as medições que estavam por vir.

Aonde a calha despejava água é um dos primeiros hot spot's

Dentro da creche você percebe como serão os outros pontos da visita

Vândalos fazem montagens em todos os lugares

Durante a descontaminação os militares quebravam os vidros

Muitos itens foram roubados, outros modificados

A creche dos funcionários da usina de Chernobyl


Quanto aos "hot spots":

O governo efetivou medições dos locais mais radioativos com intuito de evitar que as pessoas que circulam pela zona de exclusão sejam expostas a altos níveis de radiação. Para isto eles identificaram estes pontos quentes com placas de sinalização. Existem locais que são mortalmente radioativos, nesta postagem logo abaixo, você irá ver que o maquinário usado na descontaminação emite até hoje níveis maiores que o acidente de Fukushima no Japão. Vale salientar que a maioria dos turistas corre para estas placas com seus dosímetros em mãos, e assim assumem graves riscos.


Identificação dos hot spots

Alguns hot spots emitem doses mortais

É mortal ficar 2 horas dentro desta peça - veja o próximo vídeo.


VÍDEO "HOT SPOT" - ATUALMENTE 10x MAIS RADIAÇÃO DO QUE FUKUSHIMA/JAPÃO.


PRIPYAT - A CIDADE FANTASMA

Hoje é o principal ponto de visita na zona de exclusão, e era a cidade mais próxima da usina, portanto a mais impactada. Pripyat era um exemplo do modelo russo, e refletia desenvolvimento econômico com a imponência dos seus prédios. Hoje podemos ver as ruínas de hotéis, supermercado, escola de artes, cinema, hospitais e apartamentos nobres. Um padrão elevado perante as outras cidades, e que foi deixado para trás em pouco tempo, durante a evacuação os moradores tinham apenas 30 minutos para se apresentar aos militares, e só podiam levar os documentos pessoais. Deixaram para trás animais de estimação e todos os seus pertences, eles eram informados que voltariam alguns dias depois, mas hoje 33 anos após o acidente somente retornaram vândalos e saqueadores.

O hospital que atendeu os bombeiros que combateram a explosão é ainda hoje o lugar mais radioativo. A creche é o local mais triste do mundo, os brinquedos abandonados parecem esperar a volta das crianças, e é importante salientar que é também o lugar que recebeu maior atividade dos vândalos, que modificaram o lugar para impelir sustos e montagens para fotos. O parque de diversões que nunca foi inaugurado completa os principais pontos da cidade fantasma, mas somente fazendo a visita para perceber o impacto que a explosão causou na vida daquelas pessoas.


Pripyat a cidade fantasma

Primeiro inverno depois da explosão

Cena de um filme russo - Evacuação de Pripyat

Hoje sem intervenção humana a natureza controla a cidade

A mais vigiada tem seu próprio check point

Parque de diversões nunca inaugurado

Veja o vídeo abaixo que mostra o parque

Pripyat a cidade fantasma


Mural na sede dos correios

Mesmo radioativas muitas coisas foram roubadas

Existem muitos hot spots por toda a cidade

A creche o lugar mais triste e mais vandalizado

A creche é gigante e tudo esta destruído

Veja mais no vídeo abaixo

A creche de Pripyat



Hospital o lugar mais radioativo

Após 33 anos o hospital está destruído

Veja mais no vídeo abaixo

O hospital de Pripyat


O supermercado mesmo destruído impressiona

A área administrativa do supermercado

Veja mais no vídeo abaixo

O supermercado de Pripyat


Fachada da escola caiu e impede a entrada

Escola com os cadernos ainda nas mesas

Estação fluvial

Vitral da estação fluvial

Viu o vídeo dos hot spots? Não se aproxime desta garra

Apesar de ser proibido entrar nos prédios abandonados este é ponto alto de alguns locais, vejam estes apartamentos residenciais em Chernobyl.

Saiba que alguns lugares são realmente muito perigosos para entrar, fique muito atento onde você pisa. Ter acesso ao interior dos prédios vai depender da autorização do seu guia e das condições do local, alguns estão prestes a ruir e outros melhor conservados. Perceba isto no vídeo abaixo, aonde a maioria dos apartamentos tem o piso destruído, e não consegui entrar neles.


É apavorante entrar nestes prédios

A vegetação cresce dentro e fora dos prédios

O piso destruído impede a entrada

Esta família saiu com pressa deste lugar

Os fungos estão do chão ao teto

Os apartamentos de Chernobyl


É pouco provável que o seu roteiro pela zona de exclusão siga o previsto pelas agências.

Alguns pontos são essenciais e certamente você irá visitar, bem como o radar Duga. Caminhar entre os escombros deste imenso radar demonstra claramente o gigantismo bélico da ex União Soviética, porém, ao mesmo tempo, o combalido Duga 1 entrega no seu aspecto de abandono o quão profundo está enterrada a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Alguns textos fazem menções que a explosão da usina foi um dos estopins da queda da URSS. A surpresa deste lugar é que a estrutura de apoio ao Duga era enorme, e o entorno dele é repleto de construções abandonadas.


Fique longe destas placas - É um Hot Spot

Pequena parte do radar Duga 1

Um dos chamados graffitis oficiais

Oficina mecânica

Computadores saqueados

O radar Duga


► A visita dentro da usina Nuclear

Se você contratou o pacote com pernoite (veja o hotel logo abaixo) inclua a visita que acontece na parte da manhã e se estende até o almoço. Você é recebido por um funcionário na sede administrativa da usina nuclear de Chernobyl, após as instruções de como agir e do que pode tirar fotos se inicia o tour, que inclui as salas de comando, e inclusive o monumento aos liquidadores que fica a poucos metros do sarcófago. Veja no vídeo que próximo ao monumento as medições chegam a 20 "microsieverts" por hora.


Em frente a usina


A fachada da Usina Nuclear de Chernobyl

Sala de controle

Os reatores ainda seguem monitorados

O piso original da usina

O corredor dourado que leva aos reatores

Sistemas de resfriamento

Funcionários da usina monitorando os reatores

Monumento aos mortos ao lado do sarcófago

Medidores de radiação para sair da usina

O almoço no refeitório da usina


A mesma comida dos funcionários da usina

A Borch está por todos os lados na Ucrânia - Sopa de beterraba

Torre de resfriamento inacabada

Graffiti oficial

Veja tudo sobre a usina no vídeo abaixo

► Veja a visita completa no vídeo



Recentemente foi construído um novo sarcófago para reduzir as atuais emissões do reator 4.

Esta estrutura foi construída a distância e depois foi alocada usando trilhos, mas mesmo assim foram encontrados pontos de emissões radioativas que eram impeditivos ao trabalho. Uma das situações de risco mais relevante era quando encontravam equipamentos utilizados na descontaminação inicial. Por exemplo, saibam que algumas escavadeiras tinham sido enterradas no próprio local, e durante a obra quando descobertas voltavam a ser enterradas, pois, o nível de radiação ainda é altíssimo.


Escavadeira usada na descontaminação

Equipamentos até hoje radioativos

Depósito do maquinário radioativo

Construção do novo sarcófago

Novo sarcófago

► chernobyl - a cidade famosa por uma tragédia

Na cidade de Chernobyl hoje vivem pouco mais de 150 pessoas, a maioria está lá por ainda trabalhar para o governo ou na ínfima estrutura turística. São poucas residencias e apartamentos ocupados, e a cidade tem só um hotel que serve também como bar e restaurante, e uma pequena loja. Ao caminhar por ela é triste perceber que os atuais moradores são cercados por um cenário decrépito, ao ver uma casa habitada o entorno é cercado por outras em ruínas. Estes poucos habitantes tentam voltar a ter uma vida normal, alguns plantam frutas e verduras e outros criam alguns animais, porém não existe nenhuma segurança que estes animais e alimentos não estejam contaminados. No hotel eu percebi que uma funcionária da cozinha passava por mim com uma cesta com cenouras cheias de terra, ou seja, haviam sido colhidas no entorno, e isto me deixou desconfortável, pois no jantar eu havia comido cenouras. Quanto aos pontos de visitação em Chernobyl eles são o corpo de bombeiros e o monumento aos liquidadores, e o monumento para as cidades e vilas evacuadas, o cinema, o ginásio de esportes e os primeiros equipamentos usados após a explosão da usina.


Pórtico de Chernobyl

Única loja de Chernobyl - crédito: Jorge Franganillo

As casas de Chernobyl


O cinema


Os monumentos


O ginásio


► é seguro dormir dentro da zona de exclusão?

Como foi dito sobre os "hot spots" o governo também mediu os níveis de radiação das construções que poderiam ser novamente habitadas. Enfim o único hotel de Chernobyl é um destes locais e é muito bom, e está em um pequeno núcleo habitável na cidade, mas mesmo assim é cercado por mais casas abandonadas do que habitadas. Você não pode se distanciar do hotel, todos os hóspedes são trancafiados dentro dele as 20 horas, quando as portas gradeadas forem fechadas. Além do mais o restaurante do hotel serve também como o único bar de Chernobyl.


O hotel é simples porém muito aconchegante

Quartos limpos e aconchegantes

O hotel é também o único bar da região

A comida é simples mas muito boa

Uma funcionária precisou e o atendimento médico foi rápido

Entorno do hotel - Prédios com poucos apartamentos ocupados

O hotel de Chernobyl


► segue minha percepção sobre os animais que hoje vivem na zona de exclusão.

No entorno do hotel os cachorros são os coadjuvantes, pois eles são dependentes de nós humanos, e em Chernobyl eles encontram alimentos e abrigo. Durante a descontaminação uma unidade militar era responsável por exterminar e enterrar todos os animais encontrados, alguns cachorros escaparam, e hoje todos são marcados e monitorados. Na zona de exclusão ainda sobrevivem outros tipos de animais, inclusive existe uma raposa que pode surgir para receber comida dos turistas. Eu vi uma cobra e pouquíssimos pássaros durante 2 dias, ou seja, os passarinhos fugiram. Será que escaparam por terem visão tricomática (enxergam até a radiação UV) e estão vendo ou sentindo algo que nós não conseguimos?

Estudos mostram que os poucos pássaros de Chernobyl tiveram uma diminuição do cérebro. Saiba que em uma cidade abandonada e retomada pela natureza você não ver e não escutar sons de pássaros é uma sensação estranha. O silêncio é quase absoluto em muitos lugares.


Este gosta da porta do refeitório

No hotel eles adoram um turista

Todos são monitorados pelo governo

Penas deformadas - voou com dificuldade


A VERDADE SOBRE A VISITA A ZONA DE EXCLUSÃO


Existem locais espalhados pelo mundo que atraem hordas interessadas em ver os erros da humanidade, bem como o campo de concentração de Auschiwtz na Polônia, que recebeu 2.15 milhões turistas só no ano de 2018. Mas de todos estes locais nada se compara a Chernobyl.


Falar a verdade sobre a visita a Chernobyl é uma forma de te deixar informado para encarar um lugar que tem encoberto o número de vítimas, e níveis de radiação até hoje emitidos. Não existem números oficiais em nada relacionado ao acidente nuclear e é irracional dizer que este passeio é seguro.


Não é seguro visitar a zona de exclusão. É sim perigoso. É horripilante e é assustador.


Quando você assinar o milésimo documento eximindo a agência, o governo, o hotel e todos os envolvidos de qualquer responsabilidade sobre o efeito da radiação, certamente entenderá que o lugar é extremamente perigoso.


Se você não respeitar Chernobyl certamente irá se arrepender das consequências.


Apesar dos alertas certas atitudes tornam a visita mais segura. Siga as regras locais e tome muito cuidado para minimizar os efeitos nocivos. Não toque em nada, evite ingerir qualquer coisa, mantenha a boca fechada e leve sua própria máscara para não respirar a poeira. Você irá pisar em “hot spots” por isto não coloque nada no chão da sua van, alguns visitantes deixam suas mochilas e garrafas de água no chão provavelmente contaminado das vans.


Cuidado onde você pisa e pondere em colocar toda a sua roupa no lixo ao final do passeio.


É perigoso e proibido entrar nos prédios, mas isto é o que todo turista quer, porém cabe ao seu guia decidir aonde você poderá entrar (no passeio de 1 dia poucos guias permitem a entrada). Estes guias são monitorados pela polícia e por isto mantêm na cintura um GPS, alguns deixam o cinto com o localizador no chão e seguem com o grupo para o interior dos prédios. Alguns lugares são menos perigosos do que outros, por exemplo, o hospital de Pripyat tem altos níveis de radiação (não fique muito tempo lá dentro) e o piso do centro cultural está podre e prestes a ruir (muito cuidado onde pisa). Pondere suas atitudes, e quando sentir que está se expondo ao perigo não vá adiante.


Sua segurança está associada a experiência do seu guia, mas a série sobre o acidente divulgada pela HBO fez com que o número de turista aumentasse, com isto as agências estão com dificuldades em atender a demanda e muitos guias são inexperientes, no meu caso por exemplo, meu grupo foi guiado por uma adolescente que não conhecia nada da região e estava indo ao local pela terceira vez, ou seja, quando eu percebia ela usando o aplicativo maps.me para saber aonde ir eu dobrava minha atenção.


E quando você se deparar com os “hot spots” que fazem os medidores subirem a níveis absurdos, a maioria corre em direção ao “hot spot” para tirar fotos, não faça isto. Se existe uma placa de alerta naquele local, não se aproxime.


E sobre visitar a planta nuclear saiba que ela é perigosa. Poderia fazer uma longa dissertação sobre isto, mas é simples explicar, durante a visita a guia disse: “neste corredor temos que caminhar rápido, vamos passar próximo ao reator 4, caminhem rápido”, e mesmo com o grupo acelerando o passo fomos ultrapassados por funcionários da usina, que passaram voando pela gente. E para que tire suas próprias conclusões esta não é uma visita a uma planta industrial, como um polo petroquímico, é uma visita dentro de uma usina nuclear que um dia já explodiu. Por outro lado, o valor pago pela visita ajuda na manutenção dos empregos dos que vivem para conter a radiação do reator 4.


Mas sobretudo meus alertas são para que você se mantenha atento as regras e siga todas as instruções, assim terás um passeio seguro.


Eu concluo dizendo: Visite a Ucrânia. Vá a zona de exclusão.

O povo ucraniano sofreu muito e sofre até hoje por questões territoriais com a poderosa Rússia, e hoje abertos ao mundo querem deixar o passado bélico para trás e te recebem muito bem. A capital Kiev é a base para ir a Chernobyl, reserve no mínimo 2 noites por lá e seja surpreendido por uma cidade que apesar de ser uma das mais antigas da Europa parece ser um adolescente querendo chamar a sua atenção. Repleta de parques, bares e restaurantes descolados, e acima de tudo muito barata. Saiba que você consegue um ótimo jantar por míseros 5 euros, sendo assim tente incluir o máximo de dias em Kiev no seu roteiro a Chernobyl.


Praça Maidan


A juvenil Kiev


Eu fiquei hospedado em 2 lugares diferentes o Dream Hostel Kiev e o Central Apartments e eles são ótimos. Quanto ao Central Apartments tente locar o da Sofiivska Street, e fique atento que a entrada é a esquerda do McDonald's ou fale comigo antes de ir.


Quanto a Chernobyl existe por lá uma ínfima estrutura turística, e a chegada dos turistas é um grande apoio na esperança por dias melhores para aqueles cidadãos que tentam refazer suas vidas, mesmo após o maior acidente nuclear da humanidade. Siga as regras, seja prudente e o seu passeio será seguro.


Se tens alguma dúvida sobre visitar Chernobyl me envia um comentário e conversamos, além disto não visite Kiev sem antes ver o documentário “Winter on Fire” Ucrânia lutando por liberdade – disponível no Netflix. Neste documentário você poderá ver como estava a Praça Maidan ou Praça da Independência a poucos anos atrás. E terás orgulho de pisar naquele chão e ver a alegria do povo ucraniano em te bem receber.


Estou produzindo o texto e as imagens sobre Kiev siga o blog e o canal do youtube e receba a notificação da postagem.


Obrigado pela leitura e por favor fiquem à vontade para entrar em contato pelos comentários.


Faça um seguro viagem - O SEGURO DOS CARTÕES DE CRÉDITO NÃO COBREM A UCRÂNIA. Veja aqui como o preço é muito baixo e compre por este link.

AJUDE O BLOG-RESERVE NOS LINKS DO SITE



#roteiroscompartilhados #hotelreview #booking #segurospromo #rentalcars #turismo #travel #viagens #tourism #roteiros #hoteis #passeio #dicas #curiosidades #blog #desconto #promocao #airbnb #guiasdeturismo #dicasdeturismo #dicasdeviagens #traveltips #mapas #fotografia #nomads #tripadvisor #facebook #pintrest #twitter #getyourguide #airportag #airport #blogdeviagens #blogdeturismo #chernobyl #kiev #ukraine #pripryat #chernobylnuclearpowerplant #abandoned #exclusionzone

2,658 visualizações
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram
  • Facebook Social Icon

O objetivo deste site é oferecer um espaço para a construção de roteiros de viagens colaborativos.

Compartilhe suas dúvidas e experiências nos comentários do blog e ajude outras pessoas na busca pelo roteiro perfeito.

Eu posso te ajudar a criar o seu roteiro... vamos conversar.

SITE PARCEIRO DO

logo mochila.png

© 2017 - 2020 by Marcelo Bandeira